segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Pensamentos

         Pode parecer estranho eu ter um sentimento desses, mas o que eu posso fazer? Sou apenas uma garota ingênua que ainda não sabe lidar com as novas, ou futuras experiências. Tento esquecer você a cada segundo, a cada milésimo, como se minha vida dependesse disso, mas o fato é que eu, simplesmente, não consigo. O que eu sinto é mais forte que qualquer outra coisa, ela não pode comparar-se a nada.
          O que eu senti por você esteve guardado por tanto tempo... Eu chorava todos os dias, perguntando o porquê de não ter você aqui comigo, do meu lado. O fato é que, talvez, nem tudo que queremos, nós temos. É difícil pensar por esse lado, ás vezes, as pessoas deviam amar somente aquelas que as valorizassem, mas não é assim, infelizmente.
       Pode ser tarde demais para eu estar dizendo isso, para estar “tirando” tudo isso que eu guardei por muito tempo. Era muito difícil aguentar sozinha, calada e sem apoio. Mas agora, eu queria que, pelo menos, você soubesse o que eu senti esse tempo todo, eu não espero nada de você, eu sei que talvez eu espere algo lá no fundo, uma pequena demonstração sua de afeto, apesar de ser difícil, eu não consigo perder as esperanças.
By: Valéria C.

Conto em um jardim

      Nostalgia, tristeza...
    Há muito tempo eu refletira sobre o que havia acontecido, ou melhor, até hoje eu reflito sobre o que vem acontecendo. Pergunto-me se fora apenas um momento de dúvida e de calor, ou se fora algo mais. Hoje aprendi que pessoas decepcionam, todas, mas há aquelas que deixam marcas, cicatrizes; ás vezes pode vir das pessoas que menos pensamos que poderiam chegar a tal ponto, a tal ação.
     Pego-me pensando sobre isso enquanto caminho pelos jardins de minha casa, em paris, na frança. Moro aqui desde que tenho lembranças, desde que... Acontecera o pior. Ás vezes esse lugar, a minha casa, deixa-me triste, solitária, nostálgica, não que não goste ou odeie o lugar de meu convívio, mas por aqui me encontrei por todos os dias que sofri, por todos os momentos que senti agonia, raiva. Então esse lugar acaba trazendo minhas memórias mais dolorosas, mais amargas, não tenho culpa sobre isso, ninguém tem... talvez somente a pessoa que causou o mal.
     Sim. Já aconteceram coisas boas em minha vida, não muitas, mas já aconteceram. Suas lembranças, em alguns momentos, conseguem sufocar as memórias difíceis e insuportáveis, mas não toda vez.
     Sempre tive esperanças de que algum dia eu conseguisse ser feliz realmente, ser feliz como humana, como ser imperfeito, porque, aliás, a esperança é a última que morre, mas não quer dizer que a mesma não morra, apenas demora um pouco, mas acaba morrendo, aos poucos.
By: Valéria c.

Sentimentos

          Há muito tempo eu não vivo a realidade, eu não sinto a liberdade. Fazia alguns dias, ou melhor, fazia alguns meses que minha atenção; minha vida estava voltada a fatos tão supérfluos, não tão supérfluos por um lado, mas muito por outros. Talvez fora tolice de minha parte preocupar-me tanto com isso, talvez fora ilusão minha, fora não, foi. Não tive culpa, não tive tempo para pensar, não tive tempo para me preparar; aquela noticia, aquela desculpa penetrara em mim como uma flecha que afundara em meu peito e o fez transbordar. Lágrimas fugiam de meus olhos naquele momento, eu não as controlava, e nem fazia questão; elas eram necessárias ali, não conseguia ser forte, muito menos hipócrita. As frases não conseguiam serem constituídas em minha mente, e minha voz, falha, apenas propagara gemidos. Minha visão ficara turva, escurecida e embaçada, não lembro ao certo, tudo fora um misto de emoções.
Atitudes ingênuas e infantis nem sempre mostram uma pessoa assim, talvez sejam apenas atitudes de alguém com coração puro, alguém ingênuo. Não sinta-se mal porque amou, não culpe-se por ter amado...
by: valéria c.